sábado, 23 de fevereiro de 2013

Análise da Banlist Março de 2013 - Parte 1: banidas e limitadas


Já faz alguns dias que foi revelada a  lista de Março de 2013 (ainda não viu? Clique aqui) e desde que foi confirmada, a tal lista tem causado muita discussão entre os duelistas. Ao passo que muitos gostaram dela e a acharam bem coerente, a maioria não gostou e/ou não entendeu a maior parte das mudanças. Nesse post, que será dividido em duas partes, pretendo falar um pouco de cada mudança e mostrar que, por mais que não gostem da banlist, a maior parte dela faz muito sentido dentro daquilo que a Konami quer. Clique em Continue Lendo para saber mais.


So true...
Começando pelo deck que foi a vítima da vez, os Wind-Ups realmente levaram uns belos tiros da banlist. Wind-Up Carrier Zenmaity foi banido e Wind-Up Magician limitado, e quem conhece um pouco sobre o meta sabe que essas são duas das peças mais vitais do deck e sem eles ficará muito mais difícil para os bonecos aparecer no topo dos principais torneios. A questão é: levando em conta que de uns tempos os Wind-Ups têm enfrentado a concorrência forte dos Mermails, que não foram nem sequer tocados pela lista, fora a de diversos outros decks menos numerosos (Macro Rabbit, Chaos Dragons, Agents, entre outros), por que então só os WU levaram pancada enquanto os outros passaram impunes? Para essa pergunta, eu daria três respostas simultâneas:

1) A Konami jamais ferraria seus metas novos, que ainda tem muito para vender e lucrar.

2) Dentre os Metas antigos, os Wind-Ups constituem o deck que mais tem condições de fazer frente aos novos.

3) Boa parte dos Metas antigos foram atingidos, mesmo que sutilmente.

Todas essas respostas são bem óbvias para falar a verdade, apesar de às vezes passarem despercebidas. A primeira por exemplo já fica bem visível quando pensamos no que a Konami é no fundo: ela não passa de uma empresa, e como toda empresa seu objetivo é o lucro.  Para lucrar, obviamente, ela tem que vender seus produtos e achar as melhores estratégias para fazer isso - e a banlist nada mais é, do meu ponto de vista, que uma estratégia da Konami para levar os players a "comprar seu peixe". Ao atingir cartas antigas e fazer olho gordo para as novas, mesmo que essas possam vir a causar problemas, a Konami, como boa empresa, não está fazendo nada além de promover seus novos produtos e levar seus consumidores a atualizar seus decks, enchendo os bolsos deles de grana. Agora me digam: dentro dessa lógica, faria sentido a Konami ferrar com os Mermails ou, como alguns sugeriam, com os Fire Fists? É claro que não!  Quanto mais Mermail Players estiverem por aí, mais Boxes de Lord of the Tachyon Galaxy serão vendidas e é isso que a empresa quer. "Mas Buba, isso não faz sentido, porque se a Konami não tivesse batido nos WU eles venderiam mais boosters de Order of Chaos e Photom Shockwave." Isso é verdade, porém atingindo os decks antigos, ele forçam seus players a migrarem de deck e consumir as novas tendências, novas mercadorias. Faz sentido, não?

Isso explica bem porque os decks novos e que andam recebendo suportes passaram batidos pela lista, mas não explica por que entre os antigos só o WU foi atingido. A resposta para essa pergunta nada mais é do que aquilo que eu escrevi lá em cima, no item 2.


Uma das jogadas  mais FDPs do deck Wind-Up é o First Turn Shock Master, que consiste em invocar um Number 16: Shock Master logo no início do jogo acompanhado de 2~3 backrows. Essa jogada sempre foi extremamente pdoerosa e foi um dos motivos pelos quais os bonecos conseguiram se manter no Top Tier durante tanto tempo (claro, não é o único). E por mais que tenha sido muito eficaz contra os antigos Metas, a jogada é ainda mais fatal para os novos decks que a Konami quer ver no topo. Invocar o 16 e declarar "Spells" no primeiro turno contra Prophecies chega a ser sacanagem, assim como dizer "Efeitos" contra Mermails te dá uma vantagem de jogo incrível. Para eliminar esse empecilho, a solução mais fácil que a Konami conseguiu encontrar foi erradicar o deck que invocava o Shock Master com mais consistência.

O engraçado é que nas novas versões que os players vêm elaborando para os Wind-Ups, que por sinal têm chances de serem bem competitivas, invocam o pássaro roxo com bastante facilidade, usando Summoner Monk + WU Shark (nunca viu o deck? Clique aqui). E outra, vale ressaltar que o First Turn Shock Master não é a única jogada que o deck faz que seria um grande empecilho para os novos decks - é apenas a mais simbólica que encontrei.

Resumindo: a Konami bateu nos Wind-Ups porque quer lucrar com seus novos decks e os bonecos de corda eram um obstáculo ara isso, por ainda serem altamente competitivos diferentemente de outros Metas antigos que os novos combaterão facilmente. Saindo um pouco do assunto morte dos WU, que já ficou bem explicado, vamos falar um pouco da terceira colocação que e fiz lá em cima, que é a de que os outros Metas antigos também sofreram com a banlist, mesmo que só um pouquinho. Para isso, tenho que falar da mudança mais comentada e mais inesperada de todas: o banimento do clássico Sangan!

Imagem extraída de Yu-Gi-Oh! Nexus
Muitos estranharam o banimento de Sangan, mas na verdade ele faz todo sentido dentro da lógica do que estou falando aqui. Se pensarmos nos decks que usavam a Tour Guide Engine, e por consequência, Sangan,  pensaremos logo em Dark World, Chaos Dragon, Wind-Up, Dino Rabbit, Agents,  Inzektors... Repararam que nenhum meta novo entrou nessa lista? Pois é, Mermails, Fire Fists, Prophecy, etc não precisam de Sangan, muito menos da Tour Guide. Ou seja: ao banir Sangan, a Konami não está fazendo nada além de ferrar um pouquinho os decks antigos. Tudo bem que para alguns dessa listinha que eu fiz perder um Sangan não muda nada. Dark World e Chaos Dragons, por exemplo, não sofrem quase nada com isso, principalmente o DW que sempre usou a Tour Guide para trazer Brpww ao campo. No entanto, para outros decks, a perda de Sangan é significativa. Uma jogada bem comum em decks Dino Rabbit era invocar Tour Guide, trazer Sangan e esperar o demônio morrer para trazer o coelho à mão. Decks Inzektor faziam a mesma coisa, só que troque a palavra "coelho" por Hornet ou Dragonfly. Wind-Ups também gostavam de Sangan, apesar dele não ser tão importante quanto para os decks anteriores. Assim, banir o demônio fez com que Rescue Rabbit e Inzektors perdessem um de seus principais buscadores além de desvalorizar a Tour Guide. Como alguém disse num comentário há algum tempo, com uma mudança a Konami conseguiu tudo o que queria.

E sabem qual é a parte mais engraçada de tudo isso? Por mais que muitos batam o pé e façam bico dizendo que o banimento de Sangan foi uma tragédia, ninguém pode falar que não foi merecido. O bicho é buscador universal, entra em tudo que é deck, tem efeito obrigatório e stats perfeitos. Chiem o quanto quiserem, mas isso são motivos mais que suficientes para ele levar o carimbo. 

Mudando novamente de assunto, agora vou falar brevemente das duas mudanças relativas a cartas banidas e limitadas que faltam: a limitação de One Day of Peace e Solemn Warning. Pois bem, começando por One Day, essa mudança é a prova viva que não é só o Metagame que a Konami atinge e que se há cartas desequilibradas por aí eles batem do mesmo jeito. Foi assim com Mind Master, foi assim com Mass Driver, foi assim com One Day. Eu já disse o que eu acho dessa carta nos meus palpites para a banlist. Ela é mal feira, desequilibrada, gerá Draw Power, proteção contra tudo e ainda possibilita loops. Quer mais o que? Pra mim a limitação foi extremamente justa, e só prova que uma carta não necessariamente precisa estar no Meta para cair na malha fina da Konami. 

OneDayofPeace-PHSW-EN-C-1E

Sobre Warning, eu sinceramente não sei o que falar. Não entendi a limitação dessa carta, e não por que ela é ruim nem nada, mas sim por que sou incapaz de ver o propósito por trás disso. Seria para nos incentivar a usar as novas traps, como Breakthrough Skill? Talvez, mas mesmo isso não faz tanto sentido considerando que Traps bem mais usada, como Bottolmess Trap Hole e Torrential Tribute, passaram impunes. Seria para facilitar a vida dos novos decks? Talvez, mas de novo, existem várias coisas mais chatas para eles que estão livres por aí. A única justificativa mais plausível que eu encontrei foi a de que a Konami realmente planeja dar força aos Synchros, e para esse tipo de monstro a Warning é pior que Bottomless ou Torrential pois impede que eles sejam invocados corretamente, tornando impossível trazê-los de volta à vida. Será? Não sei, como tudo nesse jogo, só o tempo dirá. Ah, outra coisa: temos que lembrar que Warning é mais usada no OCG, então por isso o estranhamento. De qualquer forma, quero ouvir a opinião de vocês leitores quanto a isso.

Então encerro por aqui pessoal, espero que tenha gostado. Não deixem de comentar com suas opiniões e a segunda parte do artigo sai em breve ^^

Comentários Facebook
20 Comentários

20 comentários:

Marcelo disse...

Eu acho que o maior motivo da Warning estar limitada é que ela ferra com os Boss Summons (Pyroex, Mounglacia, WindRose.... BLS.... DAD)

A Konami faz uma propaganda foda em cima desses bosses, mas o que adianta colocá-las em deck sendo que o povim usa mais a Warning pra ferrar monstros mais poderosos. Ninguem ve um top usar Warning em monstros fracos, eles esperam vir XYZ, Synchros, Boss Monsters para ela ser utilizada......

A carta One day of piece foi uma carta feita por algúem da primeira série que só joga com deck exódia.... essa carta é muito apelona assim como o Giant Trunade.

Alguns pensaram no Undine ser banido? A Konami nunca que ferraria com o meta dela. Se a carta está ajudando a neguim usar mermails, ótimo... Mas um dia ela terá o mesmo exemplo do Sangan. Qdo novos metas surgirem, ele será banido, o que acarretará na migração ou modificação de decks.

Vilson Stratos disse...

Antes de tudo, ótima análise. No aguardo pela parte 2.

Wind-Ups foram um deck que talvez nem a Konami esperava que fosse ser tão bom. No seu auge, eram um deck imbatível praticamente, ninguém queria jogar contra Wind-Up pois ia tomar Loop com o Wind-Up Hunter, mesmo que fizesse side, era torcer pro side vir de primeira na mão ou então derrota. Dificilmente um jogador com Wind-Up naquela epoca não conseguia fazer de primeira o Loop, então a Konami ferrou tirando o Hunter de circulação e até acharam que o Deck iria morrer, mas mesmo sem Hunter deck Wind-Up tinha um potencial monstruoso para fazer os melhores Xyz disponiveis no jogo a vontade. Como citado na matéria, um dos poucos Decks que conseguia fazer Shock Master no primeiro turno. Enfim, como todo Deck que tem seus momentos de glória um dia a festa tem que acabar e dar espaço pra outro. Blackwings e Lightsworns sabem bem como é isso.

Concordo com os pontos citados em relação ao Sangan banido, mas um outro detalhe não citado é: Custo benefício. Decks Dino Rabbit eram um dos mais baratos de se coseguir montar graças ao Rabbit vir em sua versão super muita gente pode montar um Deck Top Tier bom, bonito e barato. Sangan era um reforço importante em um Deck fraco em Draw Power e Search Power, banido ele, é desanimador manter o deck e obriga os jogadores a migrar para as novidades que convenhamos não está dificil de se montar um deck bom e competitivo. O Deck Fire King é um excelente Deck e até mesmo no Brasil, com menos de 100 reais vc monta o deck completo.

90% dessa banlist foi comercial, sem dúvidas, mas mesmo assim, ela conseguiu ser justa. Digo isso mesmo sendo alguém prejudicado pela perda do Sangan.

Agora é esperar pra ver como o nosso jogo irá ficar.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Kimer disse...

Lendo essa análise deu pra perceber que as mudanças que essa nova banlist fez fazem sentido, menos a limitação de Solemn Warning. Vou ter que usar Black Horn of Heaven nos meus decks.

Edvaldo de Araújo Pereira disse...

Primeiramente ótimas postagens.
Na minha opinião a banlist é puro jogo comercial como todos nós estamos cansados de saber, como agora a Konami esta dificultando a vida de alguns antigos metas os novos metas sofreram a mesma coisa com a criação de novos metas no futuro(O Comercio é assim).
Certo achei o banimento de Sangan muito justo, ele é um dos buscadores mais eficaz que estava no jogo, estava em quase todos os decks dos top 8 do Brasil.
One Day, OH! carta chata quando você ativa além de lhe proporcionar uma nova carta com sua ativação ira lhe proteger de tamos, era tudo que o deck de exodia queria.
Já a Warning não entende, pra me tinha muito mas cartas que podia ser alvo da Konami.
Esperava muito mais dessa lista. Enfim vamos ver como o jogo vai ficar.

Daniel Santos disse...

Vilson, o hunter não foi tirado de circulação, ele continua ilimitado. E o Dino Rabbit era um dos decks mais caros, e mesmo hj não é um deck baratinho, ao contrario do proprio wind-up.

Crabcore V.L disse...

acho que a idea da konami e de ressucitar cartas antigas dando suporte apeloa isso e visto com as harpies no lord of tacyon e o blue eyes acho que a konami ta querendo fazer banlist favoravel a esses tipos

Max disse...

Hey buba, ao meu ver, warning é a unica carta que te deixa 100% protegido da High Priestess of Prophecy, pois junto com a Spellbook of Wisdom, nenhuma carta normalmente usada pode segurar u.u

por eu considerar o melhor deck da atualidade, parece bem a cara da konami D:

BuBa disse...

Lendo o que escreveram sobre a Warning, realmente, ela com certeza foi limitada para benefício dos boss monsters em especial da High Priestess. E PQP, Prophecy tá ownando geral de um jeito que eu não esperava (pelo menos no OCG, vamos ver como será aqui).

Vilson Stratos disse...

Daniel Santos, tirar de circulação eu quis dizer mesmo a limitação dele. Com apenas 1 WU Hunter o Loop, que era o que deixa o Deck praticamente invencivel, morreu. Mas ainda sim os WU se mantiveram como um ótimo Deck pra fazer muitos Synchros, muito rápido.
Dino Rabbit já foi sim um Deck carissimo, mas as principais cartas do Deck (Rescue Rabbit, Dolkka e Laggia) vieram nos enlatados e era possivel encontrar eles a menos de 5 dolares, o que é MUITO barato, até mesmo a Tour Guide teve uma queda de preço considerável.

Ednei Monteiro disse...

sangan deveria ser banido antes na epoca de 3 rabbits 3 hornets 3 dragonflys em cada deck agora q estao todos limitados e o coelho semi limitado tour guide tambem o sangan ajudaria esses deck q ja perderam força ; e porcausa disso esses outros deck q nao sofreram nenhuma alteraçao vao cair de pau encima desses mais antiguinhos eles deveriam analisar bem essas situaçoes antes de fazer esse tipo de coisa mas eles soh querem vender como ja disseram

Anônimo disse...

Perdemos o sangan? Ta na hora da KONAMI criar buscadores para outros arquetypes mais antigos, pois os novos possuem. Ninjas nao possuem um buscador (Upstart é invocador), e por aí vai....

Bruno Raphael disse...

A warning foi por esse motivo mesmo: proteger boss monsters. Tem que lembrar que a smoke signal foi liberada e o shi en tem medo de counter pra summon, aquela zenmaines tomando warning, elemental lord caindo em trap e convenhamos que tomar 2 warning no mesmo jogo é MUITO ruim... O fire Fist por exemplo tem a forbidden lance e uns usam a tenken pra proteger os monstros de morrerem pra traps, usam poucos monstros e não querem definitivamente tomar warning neles... O Prophecy tem a priestess mas eu uso a versão do reaper e a pior coisa que pode me acontecer são meus spellcasters não entrarem (adeus SB of the master, fate, power e wisdom e plus 5,6 ou 7 na end, pouca defesa e muita surra eu tomarei no prox turno)...

Daniel Santos disse...

é isso que to falando Vilson o Hunter não tá limitado, ele está ilimitado, o que fodeu o loop foi a limitação do zenmighty

Kido Bw disse...

Genex undine nunca vai passar pela banlist,é um bom engine mas há milhões de formas de usar melhor o mermail.

Bruno Gutierres disse...

PQP TODA BANILIST É A MESMA COISA "Não, que a Konami é muito capitalista!" "A Konami só quer lucrar!". Já pararam pra pensar que o jogo precisa ser renovado? Imagine se até hoje estivéssemos na era Tele-DAD, o tempo passa e as tendencias mudam, e os jogadores precisam se adaptar a essas mudanças.

Os metas antigos possuem algumas coisas que não foram bem planejadas, principalmente porque tinham que de alguma forma ultrapassar os decks antecessores. Já os metas mais recentes não, se você parar pra observar mesmo com algumas coisas meio OPs todos eles vem com limitações na própria carta, tipo não poder fazer ss de outro tipo de monstros nesse turno, ou só poder utilizar o efeito da carta só uma vez por turno. Isso os metas mais antigos não tem, olha o Hornet, olha o Hyperion, olha o WU Magician, olha o REDMD... vocÊ pode abusar do efeito de todos eles e por isso ele merece seu lugar na banilist porque nesse formato (e talvez até nos próximos) eles não são muito saudáveis pro jogo.

Essa banilist foi ótima, com apenas uma ação eles conseguiram resumir uma série de coisas. Esses novos decks por terem vindo com várias limitações, apesar de fortes não conseguiam bater os metas antigos (todos eles sofrem pra alguma coisa bem simples, Mermail pra Macro, Fire Fist pra Skill Drain, Prophecy pra Rai-Oh) e enquanto ainda fosse mais vantajoso permanecer com os decks antigos ninguém ia migrar pra outras plataformas (todo mundo reclama da banilist comercial mas se esquece que os jogadores jogam pra vencer e vão com o que for mais forte, como hoje as coisas estão meio equilibradas dá pra escolher um que te agrada mais). E a melhor maneira de fazer isso foi banir o Sangan, afinal desse jeito além de não precisarem banir as chaves de cada deck eles ainda evitam futuros problemas. Eu já esperava o banimento dele porque no SR o pessoal comentava bastante isso, o Sangan é aquele tipo de carta muito boa e que junto com outras cartas (TGU e Call of the Haunted) se torna um abuso. Foi mais que justo isso, e se os decks lançados daqui pra frente vierem com buscador próprio provavelmente ele nem sai de lá.

Já WU ele cai naquela questão de "criamos um monstro!". Como o Vilson disse, talvez nem a Konami soubesse que eles se tornariam tão forte, tanto é que eles nem tem tanta popularidade lá no Japão. Se eu não me engano eles foram o primeiro arquetipo com uma estratégia baseado sé em Xyz Summon(tanto é que só dá pra usar o eff deles uma vez em campo), e nessa época todo mundo tava na onda dos Synchros e ninguém achava que os Xyz iriam virar (assim como ninguém acha que Chaos Xyz vai virar) e eles tinham que dar um jeito de fazer o pessoal aderir a essas mudanças. Aí veio Tour Guide e os primeiros WU, mas mesmo assim ninguém apostava neles, então tiveram que apelar pr a uma estratégia melhor e lançaram o Carrier (assim como lançaram o Spellbook Judgment) e aqui no TCG eles ainda apelaram pro Shark. Eles foram projetados pra incentivar os jogadores a usar os Xyz, a função deles já foi cumprida e agora eles já estão prejudicando o jogo. Pra Wind-Up, não bastava banir o Sangan, assim como não bastou limitar o Carrier.

De resto eu acho que foi bem tranquilo, o que não deu pra entender direito que foi a Warning e o Rai-Oh, ainda teremos uma explicação pra isso nos próximos meses.

BuBa disse...

Bruno, concordo com tudo que você disse. E só para esclarecer, eu não acho que o fato da Konami visar o lucro é algo ruim, pois é justamente isso que renova o jogo - só acho que é o propósito por trás de tudo, já que no final das contas, ela é uma empresa e como QUALQUER empresa no mundo capitalista seu objetivo deve ser o lucro acima de tudo. Como eu já disse, isso não é ruim. Muito pelo contrário, é graças a isso que o jogo se renova, se atualiza e não fica no marasmo. Por isso é que eu não critico a Konami pelas mudanças que ela faz, mesmo que às vezes fique claro que são visando dinheiro. Sem elas, talvez o YGO não existisse até hoje.

Anônimo disse...

O lance da Konami ser capitalista mais renovar o jogo tem tudo a ver.

Se todos usarem decks antigos, nada mais justo em banir monstros chaves antigos pro pessoal migrarem pros arquetypes novos e com isso visando o lucro da KONAMI. Depois que todos esbanjarem nesses novos, a KONAMI poda eles fazendo com que todos migrem para os proximos.

Ou seja, nao adianta ter um deck foda, uma hora este nao será mais o seu deck pq a KONAMI vai estragá-la só para que voce possa mudar de jogo.

Por isso que é RIDICULO. Voce gosta de six samurai, daí vem a KONAMI rouba tudo de bom deles pra que voce mude de jogo (entende-se "Arquetypes", ou seja, cadê a liberdade de jogo? Eu nao vejo isso, pois liberdade vejo se voce tem deck da moda, se quer manter os antigos ja era.......

Vilson Stratos disse...

Esse ponto que o anonimo ai contou é algo bem delicado de se falar mesmo. Você ser fã de um deck, mas não por ele ser apelão ou top tier, mas até mesmo só pelas artes das cartas e Etc e a Banlist dá pernada no seu Deck q não tinha as vezes nada a ver com a história. Exemplos, tenho amigos que são fãs de um Deck Ice Barrier, mas graças a outros Decks, os Synchros do Arquetype foram perdidos e o deck perde a graça/força que poderia ter. Eu sou fã de Elemental Heroes, mas não Beat Hero e convencionais, gosto do Deck Classic Hero, que usava Burtnatrix e Avian. Eu tinha os planos de montar um até vir a Banlist vir e banir Future Fusion, uma das cartas mais importantes do meu deck Classic Hero. Foi culpa do meu Deck Classic Hero? Não, foi culpa do Chaos Dragon. Assim graças a um Deck q não tem nada a ver com o meu, em prol de equilibrar o jogo, me fez perder a oportunidade de montar um dos meus decks com meus monstros favoritos. Isso deve acontecer com muitos.

Infelizmente esse é um dos lados muito ruins da Banlist e que no fundo sabemos que ocorre no Ygo, a morte da originalidade e liberdade.

Thiaguim disse...

Acho que muitos esquecem que o foco da Banlist é regular os grandes campeonatos. Assim ninguém te impede de montar o deck que você gosta mais ou acha mais divertido, ou mesmo de rodar cartas banidas ou mais cópias do que consta na lista em jogos amigáveis, mesmo a DN oferece aos jogadores a opção de jogar livre de qualquer restrição de cartas. No entando, se você quer jogar competitivamente e ganhar os brindes que a Konami cede a esse tipo de competição, tem que dançar conforme a música.

Yu-Gi-Hoje!
Design por: Felipe Leonel - Tecnologia do Blogger
Copyright © 2015
Todos os direitos reservados
imagem-logo